quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Coreanos amigos de todos
















Atendendo ao conselho da Valesca, minha prima, não vou mais ouvir músicas em português, tenho que agüentar, resistir à tentação. Segundo ela, que já passou um mês estudando inglês no Canadá, tenho que ir embora sonhando em inglês. Pra bom começo, só converso em inglês com o Alecsandro, meu colega de São Paulo. Bueno, agora estou curtindo minhas coletâneas Cacofonia, mas só as ‘internacionais’. Hehe No momento que escrevo isto, sobre suportar as ansiedades, superar as dificuldades, como a saudade, começa a tocar Boys don’t cry, do The Cure. Que coisa, hein?! hehe

Já estou me acostumando com tudo por aqui, com as pessoas, com o estilo de vida do povo, pegar mini-bus, o divertido e rápido transporte da cidade, a entender o inglês dos sul-africanos, onde não existe o ‘R’... e também estou conhecendo melhor os estudantes que estão por aqui, de diferentes nacionalidades. Tem italiano, francês, colombiano, da Costa da Marfim (não sei como se chama quem é de lá), indiano, japonês, chinês, turco, alemão e, claro, os predominantes brasileiros e sul-coreanos.

Se fossemos fazer um concurso para saber quais os mais simpáticos e prestativos, os coreanos estavam eleitos com folga, com muitos pontos na frente. Comentei com três brasileiros, a Carol, a Michele e o Fábio, sobre o Oh, que acho curioso toda a sua educação, às vezes exagerada, se é que existe educação exagerada. Acordo e ele logo dá bom dia e pergunta se dormi bem, vou dormir e ele ‘good night’, pergunta toda hora se estou com fome, se quero sair, onde quero ir, pra tudo é ‘please’, sempre preocupado em ajudar e deixar o próximo bem. Se não estou com fome, ele espera pra descer e comer junto.

Na verdade, todos os coreanos são assim, conforme as histórias que contaram a Carol, a Michele e o Fábio. Chegam no quarto à noite e se tem uma sul-coreana a janta já está pronta. A fama deles é espetacular, muito positiva, a bondade deles em misto de ingenuidade e alegria permanente chega a ser comovente. O Oh me perguntou se sei cozinhar, eu disse que sim, então ele queria saber o quê e falei macarrão. Aí ele largou uma com uma cara de cão ‘pidão’: se faço um macarrão pra ele antes de ele ir embora. E como eu iria recusar?! Amanhã à noite eu farei, pois sábado pela manhã ele volta pra Coréia do Sul – não generalize Coréia, diga ou Coréia do Sul ou do Norte, apesar de eles não se importarem... assim como devemos falar Mato Grosso do Sul e não Mato Grosso.

Outro gaúcho, o Cristian, que é DJ de música eletrônica do tipo Trance, também é só elogios ao Oh. Diz que ele é parceiro pros passeios, saídas, pras festas – aqui tem famosos locais de balada, como o Fashion TV, como os que conhecemos no Brasil, o Insight, o Buena Vista, o Cubana, entre tantos outros. Mas o Cristian também contou que nos últimos dias o Oh se distanciou da galera, deve ser porque está prestes a voltar pra casa e pode ter batido certa tristeza em deixar o pessoal daqui após três meses de convivência juntos. Já disseram que aqui parece um Big Brother e parece mesmo, na hora de alguém ir embora vai uma turma até a porta se despedir com festa e alegria. Hoje, enquanto fui caminhar na orla da praia aqui próxima, o Oh foi ao shopping Waterfront comprar presentes para a sua família.

Caminhei por vários quilômetros pelo maravilhoso calçadão de Sea Point, onde muita gente corria, caminhava, fazia ginástica, musculação e até jogava futebol. Até? Sim, aqui a grande paixão é o rugby, o esporte popular do País. Nesta parte da praia Sea Point não se pode tomar banho, só apreciar a vista, o calçadão, levar o cachorro pra passear, esportes, pois é uma região com muitas pedras, inclusive o nome da avenida da orla é Rockland Avenue (avenida Terra das Pedras). Porém, logo mais à frente na mesma praia ocorre a badalação com banhistas, surfistas, banho de sol, música, como em qualquer uma das melhores praias brasileiras. Fui até o local onde recém iniciou a construção, está na fase de aterramento, do estádio de futebol da cidade, o Green Point Stadium, visando a Copa do Mundo de 2010. Muitas máquinas, retro-escavadeiras, tratores e pedreiros trabalham no local. A construção civil aqui é um baita ponto positivo, muita poderosa, fazendo a cidade ostentar belos prédios, estradas perfeitas e próspera urbanização.

Agora à noite fomos jantar no Ristorante Posticino, fica a cem metros da escola (que é junto do residência estudantil). Como em várias partes do mundo, a comida italiana está entre as favoritas do povo. E depois, fui ao bar da escola treinar meu inglês com a galera, ouvir música, aliás a seleção musical do local, ou melhor, o bom gosto para som é o mesmo no mundo todo, tocando as melhores que existem em vários paises. A maioria das músicas conhecemos no Brasil ou ouvimos quando saímos à noite ou mesmo nas rádios mais pops. Vai de Bob Marley até The Doors, passando por Santana, Sublime, Pearl Jam, Jack Johnson, música eletrônica... E ainda mandei ver numa cervejinha, a Carling Black Label Beer, que desce que é uma beleza... enquanto assistia a uma partida do futebol local entre Orlando Pirates e SuperStar. Hehehe Que blz!

Por hoje é isso, aqui já são 0h20, agora vou providenciar a postagem de fotos também no blog. Amanhã acordo às 7h30 pra tomar o café da manhã e ir pra aula do Austin, o professor que mais gostam por aqui. Outra coisa: Que chinelada, hein, Inter?! Putz, precisamos vencer fora de casa agora pra recuperar os pontos perdidos no Beira-Rio! Bueno, após mudar de saco pra mala, quero falar que nem sei dizer o quanto estou feliz por vocês estarem lendo o blog, fazendo comentários e ainda mais gostando. Muito obrigado! Volto a dizer: Longe dos olhos, perto do coração!

4 comentários:

Ana Paula disse...

Oii...eu de novo!!hehehe
Isso mesmo, posta fotos!!!
Bah, os coreanos tem essa fama mesmo, de serem educados...na faculdade os professores sempre falavam que se um dia fossemos fazer negocio com eles deveriamos ter muito cuidado com a simpatia e educação, pois eles prezam muito isso!!
beijos!!

Ton & Di disse...

Grande Brow!

Vou quebrar teu galho: quem nasce na Costa do Marfim é marfinense. Ok!

Procurei por todo blog e ainda não encontrei nenhuma foto daí! Tá com preguiça ou ainda não aprendeu como postar fotos??

No mais, tudo beleza. Estou curtindo muito acompanar seu blog. Mandou bem!

Forte abraço,

Gisele disse...

Aleco muito "bala" a tua idéia de colocar no blog todas as tuas experiências... Como entrei pela primeira vez hoje acabei lendo apenas as últimas três, mas está ficando muito legal. E assim o pessoal pode ir "matando a saudade" do amigão... Vou continuar acompanhando tua jornada longe de casa hehehe. Muito legal mesmo.
Bjão

**** Luis@ **** disse...

Oiiiii
TE desejo toda a sorte viuuuuu
Beijossss
Luisa